Buscar

Curicaca aproxima-se de agricultores do entorno do Refúgio Banhado dos Pachecos

Técnicos do Curicaca estiveram conversando com Leonildo Zang, membro da Cooperativa dos Produtores Orgânicos da Reforma Agrária (Coperav), para conhecer um pouco mais da produção de arroz no Assentamento Filhos de Sepé, em Viamão. A visita aconteceu na última terça-feira, para conhecer o sistema de produção e distribuição do arroz orgânico cultivado nas propriedades, que têm como Reserva Legal o Refúgio de Vida Silvestre Banhado dos Pachecos, Unidade de Conservação (UC) onde a ONG atua. Em conversa com um dos precursores do cultivo do arroz sem o uso de agrotóxicos no Assentamento, iniciado há mais de dez anos, foram abordados temas de interesse comum como aproveitamento das características locais e disposição da comunidade para iniciativas voltadas ao ecoturismo e ações de integração com Refúgio.


A produção de arroz orgânico é realidade em todo Assentamento, desde 2009, devido a uma determinação judicial, mas é defendida por um grupo que aposta na agroecologia desde a formação do Assentamento em 1998., Zang,saiu de Iraí, no norte do estado para produzir no Assentamento, que reúne mais de 300 famílias. “Tivemos que trabalhar muito para desenvolver e aperfeiçoar técnicas que não agridam a terra, hoje é um espetáculo ver a beleza da plantação”, relata Zang. Com facilidade de escoamento da produção para Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), os assentados também estão iniciando investimentos no cultivo de frutas e na preparação de produtos de padaria para distribuição nas escolas municipais e estaduais da região.


O contato direto com os assentados faz parte das ações de inserção realizadas pelo Curicaca, com a finalidade de compreender a relação da comunidade com o Refúgio Banhado dos Pachecos. “É por meio destes diálogos que podemos desenhar um cenário mais positivo para a UC, em que os moradores das proximidades sejam seus principais protetores”, diz Alexandre Krob coordenador técnico do Curicaca. Essa inclusão também é uma demanda dos assentados acredita Zang, “seria interessante ter uma participação maior em atividades do Refúgio e que o Assentamento e o Refúgio em conjunto investissem nos atrativos que têm”.


A Cooperativa está começando a pensar como inserir o Assentamento em roteiros de turismo rural e ecológico. Quer valorizar as técnicas utilizadas no campo para produção de alimentos orgânicos, que podem proporcionar atividades turísticas e de educação ambiental. Zang sugere que poderiam ser adequados espaços do assentamento, como o Centrão, para utilização no turismo rural, realizadas oficinas de horta agroecológica e aproveitadas as vivências dos moradores, vindos de diferentes municípios gaúchos. O Curicaca está sendo convidado a colaborar com esta proposta e a agregar sua experiência em turismo de base comunitária.

CURIO1.png