top of page
Buscar

Oficina do ICMBio de critérios e priorização da criação de UCs federais recebeu ajuda técnica do Curicaca



O evento aconteceu em Brasília entre os dias 29/1 e 2/2 coordenado pelo ICMBio. O órgão convidou instituições e pessoas que tem atuado pela conservação e uso sustentável da biodiversidade nos biomas brasileiros e Zona Costeiro-Marinha com foco na criação e implantação de Unidades de Conservação.


O Instituto Curicaca foi convidado pela sua longa trajetória no tema, somada a sua recente atuação na coordenação técnica da 2ª atualização das áreas prioritárias para a conservação, uso sustentável e repartição de benefícios de biodiversidade no bioma Pampa. Essa experiência foi motivo para ser convidado pelo ICMBio ao papel de coordenação técnica dos trabalhos pelo Pampa.


O resultado final foi a indicação de 20 áreas para criação de novas Unidades de Conservação, seis delas como prioridade para 2026 e as demais como meta até 2030. Na apresentação que fez em nome do grupo ao secretário executivo do MMA, João Paulo Capobianco, Alexandre Krob ressaltou que o Pampa é o bioma brasileiro menos protegido, com apenas 3,3% da sua cobertura, enquanto o compromisso internacional é de 30%. Pediu ao representante da Ministra Marina Silva que o Ministério faça um esforço para acelerar as criações, o que foi bem recebido.


Para o grupo do Pampa o ICMBio convidou também dois pesquisadores da UFRGS (Demétrio Guadagnin e Marcio Martins), dois consultores especialistas em anfíbios e flora (Diego Alvares e João Laroca), duas representantes dos povos e comunidades tradicionais (Gabrielle Thum e Mariglei Dias), dois técnicos da Sema-RS (Cátia Gonçalves e Daniel Slomp) e a ONG CEA (Luiz da Silva). O trabalho foi facilitado por técnicos do ICMBio e MMA e suporte de SIG do WWF Brasil.


Embora o papel de coordenação técnica no Pampa tenha limitado o tempo do Curicaca para outros biomas, ainda foi possível incidir na defesa da criação de uma Unidade de Conservação para o sapinho-admirável e outra marinha para os Parcéis de Cidreira.

Kommentare


bottom of page