Buscar

Parque do Turvo oferece serviços ambientais ainda pouco reconhecidos

O ecossistema protegido no Parque Estadual do Turvo, importante Unidade de Conservação do RS, presta inúmeros serviços à economia e ao bem-estar da população, mesmo que isso não seja de conhecimento geral. Esses benefícios, gerados direta ou indiretamente, são chamados de serviços ecossistêmicos, gratuitos, mas indispensáveis para diversas atividades humanas que caracterizam a vida na sociedade moderna. 


Em agosto, o Curicaca e o WWF reuniram um grupo de técnicos para discutir os serviços ecossistêmicos proporcionados pelo Parque do Turvo. O objetivo seria reconhecer e fortalecer a contribuição da natureza para o desenvolvimento econômico regional sustentável. Junto com os técnicos do Curicaca estiveram presentes representantes da UERGS, da UFSM, da Sema/RS, da Famurs, da Fetag/RS e da Secretaria Municipal de Turismo de Derrubadas.



Antigamente, cerca de 40% do RS era coberto por florestas, em especial na porção norte. Carlos Neimar Huhn, guarda-parque do turvo, comentou sobre a importância histórica da preservação do local, já que o Parque do Turvo é “essa pequena amostra do que já foi todo o norte gaúcho, antes da exploração madeireira”. Os remanescentes florestais que ocorrem no Parque fazem parte do bioma da Mata Atlântica, um dos mais ameaçados no mundo e alvo de forte pressão humana para exploração. 


O Parque proporciona pesquisas científicas, apoio à educação básica para escolas do entorno, garante a qualidade da água do Rio Uruguai, protege berçários para a reprodução de peixes e proporciona uma regulação microclimática. No suporte à agricultura, o Parque abriga espécies que se alimentam de insetos nocivos e pode ser e pode ser a origem de alguns insetos polinizadores. Os ganhos econômicos proporcionados também estão no turismo. Alexandre Krob, coordenador técnico do Curicaca, ressaltou que “os benefícios econômicos da atividade turística, entretanto, acabam restritos a poucos. É essencial fazer esses ganhos chegarem em mais pessoas, principalmente nas populações do entorno da UC”. 



Para os participantes, o evento foi positivo ao fortalecer as relações inter-institucionais daqueles que estão envolvidos com a conservação do Parque. Fabíula Rosso, turismóloga do Consórcio Municipal da Rota do Yucumã, destacou que “o turismo de forma planejada e consciente aliado a educação ambiental pode ser um meio para a conservação”. Uma das necessidades apontadas pelos presentes foi a elaboração urgente do Plano de Uso Público do Parque do Turvo, que deverá impulsionar essa economia baseada nos serviços ambientais. Ainda em agosto, o Instituto Curicaca esteve reunido com o Prefeito de Derrubadas, Sr. Alair Cemin, para unir esforços na busca do planejamento da visitação da UC, que deverá ser realizado pela Sema-RS.



CURIO1.png