Buscar

Promotoria afirma que, se necessário, irá intervir na situação de sapo ameaçado de extinção

Em maio, técnicos do Instituto Curicaca e do ICMBio e pesquisadores do Laboratório de Herpetologia da UFRGS se reuniram com o promotor de justiça de meio ambiente de Arvorezinha, Frederico Carlos Lang, para debater a situação do sapinho-verde-de-barriga-vermelha (Melanophryniscus admirabilis), ameaçado de extinção pela construção de uma Pequena Central Hidrelétrica. Após a análise de documentos e longas discussões, Lang concluiu que a possibilidade de extinção da espécie é real e afirmou que se a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM) não arquivar o processo, o que foi solicitado pelo Curicaca ainda em 2012, a promotoria entrará com uma Ação Civil Pública.


Os técnicos e pesquisadores foram até o local de ocorrência da espécie, em um pequeno trecho de cerca de 700 metros às margens do rio Forqueta, na localidade de Perau de Janeiro em Arvorezinha, onde encontraram alguns sapinhos. O pequeno anfíbio depende da vazão do rio para se reproduzir, já que eles depositam seus ovos em poças que se formam em um lajeado próximo à água. A construção da barragem alteraria os níveis de água, comprometendo o processo de reprodução e, consequentemente, a vida da espécie.


O promotor, que não pode participar da expedição, solicitou oficialmente à UFRGS o envio de alguns documentos que tratam especificamente dos impactos da construção da barragem para a espécie. A FEPAM continua sem se pronunciar sobre o assunto após a manifestação na mídia da ex-presidente, Gabriele Gottlieb, afirmando que não havia risco de extinção. Nesta terça-feira, o Instituto Curicaca entregou um ofício ao presidente da FEPAM, Nilvo Silva, reforçando o pedido de arquivamento do processo.

CURIO1.png