Buscar

Curicaca e ICMBio reafirmam esforços conjuntos para fortalecer o Parque Nacional da Lagoa do Peixe


Nos dias 14 a 15 de janeiro a equipe do Curicaca e do ICMBio estiveram reunidas no Parque Nacional da Lagoa do Peixe para tocar iniciativas conjuntas. As instituições são parceiras na implantação da Unidade de Conservação e atuam conjuntamente em dois projetos, “Ordenamento do turismo de observação de aves”, apoiado pela Fundação Grupo O Boticário de Proteção à Natureza, e “Observação de aves na redução da poluição dos oceanos com plásticos”, apoiado pela EOCA. Este último tem na faixa de praia e na porção marinha do Parque um de seus territórios de atuação.


O momento foi oportuno para uma reunião com o novo chefe do Parque, Fabiano José de Souza, e com o Coordenador Regional da CR9, Marledo Costa. Além de um nivelamento, os compromissos mútuos foram reafirmados. O Curicaca reafirmou sua disposição para facilitar a realização do planejamento estratégico da Unidade de Conservação, usando sua experiência acumulada no desenvolvimento desse tipo de suporte à gestão. O plano ajudará a equipe a priorizar sua dedicação e a otimizar o trabalho da equipe, que tem ficado mais reduzida após as inúmeras alterações sucessivas ao longo de 2019.


No contexto do projeto “Observação de aves na redução da poluição dos oceanos com plásticos”, foi realizada uma primeira conversa com liderança de pescadores para buscar soluções conjuntas à gestão dos resíduos de petrechos de pesca. A equipe avançou também na organização do eixo de educação ambiental, que visa oferecer qualificações para professores das cidades de Tavares e Mostardas. Para junho deste ano, já estão marcadas com a Secretaria Municipal de Educação de Mostardas duas oficinas no tema da poluição de plásticos nos oceanos, dentro da programação das “Jornadas Pedagógicas” municipais. Em Tavares, a proposta de apoio gratuito do Curicaca na qualificação dos professores e de inclusão de jovens da comunidade no curso formação de condutores de visitantes e guias de observação de aves no Parque ainda está sendo avaliada pela Prefeitura.


Durante o acampamento de pesquisa, a Ong reuniu-se com representantes do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves (CEMAVE), do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Sudeste e Sul (Cepsul) e do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Sociobiodiversidade Associada a Povos e Comunidades Tradicionais (CNPT). Os técnicos dos centros de pesquisa puderam conhecer melhor as iniciativas conduzidas pelo Curicaca, inclusive a pesquisa sobre perturbações do turismo sobre as aves limícolas e costeiro marinhas usuárias do Parque, conduzida em parceria com o Centro de Ecologia da UFRGS. Pela primeira vez o Curicaca tomou conhecimento da forma como o Termo de Compromisso de Pesca foi preparado e está sendo implementado. Com expectativas de que o acordo funcione bem na gestão de conflitos sociais sem colocar em risco a biodiversidade, os técnicos do Curicaca lamentaram não terem sido convidados a contribuir tecnicamente para o melhor desenho do instrumento e de seus indicadores de gestão, mas se colocaram a disposição para futuras colaborações no assunto.


CURIO1.png