Buscar

Experiência de conservação do sapinho-admirável é referência internacional para herpetólogos

Os participantes do Simpósio “Experiências regionais de conservação de anfíbios no Brasil” organizado pela Amphibian Survival Alliance (ASA & ASG) no 7° Congresso Brasileiro de Herpetologia sairiam menos confiantes se não assistissem experiência do Instituto Curicaca e do Laboratório de Herpetologia da UFRGS com o sapinho-admirável-de-barriga-vermelha. Hidrelétricas, rodovias e tantos outros empreendimentos estruturantes parecem ser intransponíveis quando afrontam a conservação da biodiversidade, mas foi justamente o contrário o que demonstra o trabalho apresentado no Congresso, no dia 11 de setembro em Gramado (RS).



Durante a apresentação, foi relatada a ação bem-sucedida que culminou na negativa da FEPAM para a instalação da Pequena Central Hidrelétrica Perau do Janeiro no Rio Forqueta. A licença ao empreendimento não foi dada em função da proteção do sapinho-verde-de-barriga-vermelha (Melanophriniscus amirabilis), espécie endêmica e ameaçada de extinção e que só ocorre numa pequena área às margens do Rio Forqueta. O Curicaca atuou politicamente provocando a posição formal do ICMBio, a intervenção do Ministério Público Estadual e reuniões decisivas com o órgão licenciador, que, por fim, negou a licença. Uma conquista que mostra o quanto podemos ser mais eficazes se articulados, estratégicos e perseverantes, mas que também nos desafia a permanecermos alertas. 


Alexandre Krob, coordenador-técnico do Instituto Curicaca, frisou durante sua fala a importância das instituições atuarem de modo cooperativo e para demonstrar isso, citou o caso da licença para PCH negada, como um esforço multi-institucional que garantiu a preservação de uma espécie. "Lembro ainda que a iniciativa não é isolada, há pouco tempo, tendo o Curicaca entre os protagonistas da luta, o ICMBio negou a licença para a Usina Hidrelétrica de Paiquerê", complementou. A provocação aos participantes do Simpósio, muitos deles da academia, foi que procurem ser mais propositivos em usar os resultados de suas pesquisas para influenciar políticas públicas. O Instituto Curicaca tem oferecido um espaço contínuo para que jovens pesquisadores das universidades ajudem a fazer a diferença.

CURIO1.png