Os Microcorredores Ecológicos que sustentam a riqueza biológica e sociocultural da Restinga de Itapeva

O Projeto Microcorredores Ecológicos de Itapeva foi realizado pelo Instituto Curicaca, entre 2006 e 2009. A iniciativa promoveu a criação de microcorredores ecológicos na região da Restinga de Itapeva, abrangendo as porções de Mata Atlântica dos municípios gaúchos de Torres, Arroio do Sal, Dom Pedro de Alcântara, Mampituba, Morrinhos do Sul e Três Cachoeiras. Além disso, pelo seu desenho sistêmico, teve impacto indireto no Parque Nacional (Parna) Aparados da Serra, Reserva Biológica da Serra Geral, Reserva Biológica Estadual Mata Paludosa, Estação Ecológica Estadual Aratinga e a Área de Proteção Ambiental (APA) Rota do Sol.
 

A ideia de um microcorredor ecológico é que um ecossistema natural isolado não provê aos seres vivos tudo aquilo de que eles necessitam, como grandes áreas para se alimentar, encontrar um parceiro para se reproduzir ou buscar uma nova moradia. Os corredores ecológicos são caminhos que integram partes que restam do ambiente natural, dentro ou fora de Unidades de Conservação, propiciando aos animais a circulação, às flores a polinização, às sementes a dispersão e à água e aos nutrientes o seu ciclo completo.

 

Para realizar o Projeto Microcorredores Ecológicos de Itapeva, muitos foram os esforços, desde ações em educação ambiental até o fortalecimento do conselho do Parque Estadual de Itapeva. Como um de seus resultados principais, o Projeto promoveu o reconhecimento dos microcorredores ecológicos por instituições públicas, que os utilizaram como base para planejamento e gestão territorial. Os resultados podem ser conferidos nos documentos abaixo (para download).


Destacamos também, dentro das ações realizadas, a qualificação de quarenta professores em educação ambiental, a sensibilização continuada de cerca de 400 crianças para temas relacionados ao funcionamento dos microcorredores, a realização de cursos de gestão ambiental do território e oficinas de trocas de saberes sobre o patrimônio cultural imaterial associado à Mata Atlântica. Por meio do Projeto, também promovemos a criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Mata do Professor Baptista, em Dom Pedro de Alcântara.

Situação: concluído

Equipe técnica: Instituto Curicaca - Alexandre Krob, Patrícia Bohrer, Jan Karel Mähler Jr., Mateus Arduvino Reck, Sofia Zank, Ana Stumpf Mitchell, Gislene Monticelli; UFRGS - Andreas Kindel, Ricardo Dobrovolski, Luis Rios de Moura Baptista; FEPAM - Isabel Chiappetti, Ana Rosa Bered; IPHAE - Mirian Sartori Rodrigues.
 

Estagiários: Milena Fávero, Clarisse Britz Hassdenteufel, Júlia Rovena Witt, Renata Caron Viero, Joyce Coopstein, Karyne Maurmann

Parceiros: Centro de Ecologia UFRGS, Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, Programa Mata Atlântica FEPAM, Prefeituras Municipais de Torres, Arroio do Sal, Morrinhosdo Sul, Mampituba, Comando Ambiental da Brigada Militar, IPHAE, EMATER, Onda Verde
 

Apoio financeiro: do Ministério do Meio Ambiente pelo Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, com Subprograma Projetos Demonstrativos – PDA,da Cooperação Financeira da República Federal da Alemanha, por meio do KfWEntwicklungsbank (Banco Alemão de Desenvolvimento) e a Agência de Cooperação Técnica Alemã – GTZ.

CURIO1.png