Buscar

Curicaca prepara jovens para conduzirem visitantes interessados em aves no Parque da Lagoa do Peixe

Embora a observação de aves seja uma atividade turística de baixo impacto, se realizada de maneira inadequada também pode gerar consequências negativas para a biodiversidade. Pensando nisso, o Instituto Curicaca organizou um curso de capacitação de condutores de visitantes no Parque Nacional da Lagoa do Peixe, com ênfase em observação de aves. O local recebe aves migratórias do Hemisfério Norte e da Região Patagônica e é muito procurado por observadores do mundo inteiro.



O curso é para jovens de Mostardas e Tavares, está acontecendo de forma gratuita, virtual e exercícios de campo, numa carga horária de 50 horas. Nesse momento, as aulas estão sendo ministradas pelo Coordenador Técnico do Instituto Curicaca, Alexandre Krob, a biólogas Gabriela Arnoso, a geógrafa Monica Wiggers e a educadora ambiental Patrícia Bohrer, mas diversos professores já contribuíram num conteúdo programático bem completo.

De acordo com Alexandre, ao mesmo tempo que os visitantes carecem de condutores especializados para melhor aproveitarem a rica avifauna do Parque, também necessitam de maior orientação de como fazer uma observação cuidadosa que não perturbe as espécies. "Ao aproximarem-se inadequadamente de ninhos, as pessoas podem causar queda de ovos ou filhotes, ao perseguir continuamente bandos na praia, podem impedi-los de repor energia para voltarem ao norte, daí a necessidade de conhecimentos não só sobre as espécies, mas também como melhor cuidar delas”, destaca o coordenador.

O curso foi dificultado e interrompido pela pandemia, sendo retomado em outubro de 2021 para terminar no primeiro semestre de 2022: Segundo a bióloga Gabriela Arnoso, que faz a coordenação executiva do curso, “para compensar as dificuldades, assim que pandemia permitir, vamos fazer um 'aulão' de condução prática nas trilhas da Lagoa do Peixe, buscando mostrar em cada uma delas os atributos botânicos, geográficos, históricos, culturais e destacar as principais espécies de aves que podemos avistar em cada uma delas. Além disso, exercitar uma prática sustentável de condução de grupos de observadores amadores de aves , sem que a nossa presença humana possa ser um estresse para a fauna.”